MISSÃO, VISÃO E VALORES

Missão

Produzir e comercializar produtos, realizar eventos, promover artistas e pessoas locais em prol da cultura e da sociedade em que vivemos, a fim de obter um lucro justo e responsável, reduzindo o impacto ambiental e, democraticamente, ser a mais justa marca em benefício das mulheres.

 

Visão

A Átame inspira a liberdade e valorização da autoestima das pessoas, respeitando a diversidade, investindo na valorização do empreendedorismo feminino, na criatividade e na expressão.

 

Valores

Responsabilidade social; responsabilidade ambiental; bem-estar; liberdade de expressão; empreendedorismo feminino; igualdade de direitos; relação interpessoal e empatia com o público; excelência no atendimento.

 

Por uma vida sem amarras!

Somos três mulheres, entre tantas outras. Nascemos com uma vontade de obter um certo destaque no que fazemos, pois enxergamos novas possibilidades no mercado da moda. Mas o que é o fashion sem as pessoas que consomem? Há uma grande promessa por aí de trazer o bem-estar, principalmente para as mulheres neste universo em questão. Mas sempre foi difícil reconhecer-se diante de tanta imposição, desde medidas até tendências. Nesse sentido, apesar de ser um grande desafio, procuramos nos conectar com Gente o tempo todo. Gente que cria, que faz, que vive e descontrai. Pode ser uma grande utopia, mas acreditamos que essa gente pode e deve sentir-se dona de si própria! Da vontade de estar ainda mais próximas das pessoas e desenvolver trabalhos mais justos e justificáveis, nasceu a Átame.

 

Começamos com a revenda bijus confeccionadas para as grandes marcas. Já tínhamos acesso à elas e sempre trabalhamos com um olhar mais diferenciado, somado a um pouquinho de vanguarda, traduzida para a população que tínhamos contato. Acreditávamos que sabíamos escolher e aos poucos fomos ficando mais reconhecidas no interior de onde viemos. Um pouquinho de Barra Mansa e Cruzeiro, no eixo Minas-Rio-Sampa, decidimos que deveríamos fazer diferente e dar espaço para as mulheres que criam. Hoje trabalhamos com garotas talentosíssimas, tanto com as bijus quanto com as roupas.

 

Participamos de vários eventos com uma barraquinha de feira e muitas plantas, até que compramos uma Kombi e pegamos a estrada. Aportamos em Paraty na tentativa de vender umas bijus por lá, até que surgiu um ponto comercial no coração do centro histórico. A nossa loja é linda e o espaço bem aconchegante! Estamos resistindo à pandemia até agora e aproveitando as oportunidades que surgem, como a abertura de uma outra loja em Cruzeiro. 

 

Ainda não tínhamos nome. Éramos Kitty, Lu e Ariane. Mas precisávamos de uma marca para participar de um evento em nossa cidade. Seria uma feirinha que nos encorajaria a participar de outros tantos eventos que viriam. Da paixão pelo cinema e depois de uma estadia de um ano na Espanha, Kitty, já inspirada em ideias sobre amarração e pesquisado o que traz a liberdade para as mulheres, teve um insight: Átame! Um grito em tom de Eureca, relembrou a paixão pelo cinema, ao tom de Pedro Almodóvar. 

 

ATAR = AMARRAR = NÓS (em vários sentidos) Uma mulher pode e deve escolher os seus próprios caminhos. Ela tem que traçar suas metas e ser dona de si mesma, como uma resposta à lacuna deixada pelo espanhol, que é possível que retrate a síndrome de Estocolmo*, representada por António Banderas e Victoria Abril no filme Ata-me! Almodóvar relata que trata-se de um filme sobre o amor e conquistas. Bem, em todo caso, trabalhamos com a antítese, com a quebra de paradigmas e procuramos trazer para NÓS uma resposta à problemática da desigualdade de gênero e à supremacia machista. 

 

Somos três almas diferentes, com habilidades bem distintas, unidas no propósito de tornar as mulheres mais felizes com o que fazemos, partindo de nós mesmas. Somos afortunadas por estarmos cercadas por gente tão bacana e que acredita no que nos empenhamos em fazer. Somos mulheres e representamos todas as outras, independente de raça, credo ou classe social. Por uma vida sem amarras!

 

* Síndrome de Estocolmo é um estado PSICOLÓGICO em que a pessoa submetida a intimidação, medo, tensão e até mesmo agressões, passa a ter empatia e sentimento de AMOR e amizade por seu AGRESSOR. Fonte: http://www.unipsicorp.com.br/